Halloween Days - Parte 5

Kaio, Jake, Loren e eu estávamos descendo a conhecida avenida 15, que cortava a cidade inteira. Era uma rua bem pavimentada, pouco movimentada (como toda a cidade :P) e ladeada por um bosque espesso.
Era um dia ensolarado, quente, Kaio estava com seu inseparável MP4 ouvindo músicas do Eminen e ensaiando passinhos de dança pela rua; Jake o acompanhava as vezes, mas ele estava mesmo era preocupado em manter o fluxo de gracinhas e piadas constante. Loren e eu riamos.
Era uma tarde comum em Diablo. Sol, amigos, tranquilidade...escuridão.
Não sei exatamente quando tudo aquilo se transformou em pesadelo, mas quando dei por mim eu estava completamente sozinha naquela longa avenida. Tanto meus amigos quanto o sol haviam desaparecidos. O céu agora estava nublado, claustrofóbico, como uma enorme tigela virada de cabeça para baixo. Um vento gelado passou por mim e eu me desesperei. Comecei a correr.
Tudo passava por mim muito rápido enquanto eu corria. Casas, bosque, carros estacionados, árvores, Erick.
"Erick?" pensei, confusa.
Brequei num ímpeto e girei para olhar direito. Eu mal podia acreditar. À alguns metros de mim estava Erick, braços e pernas cruzados, encostado no tronco de uma árvore. Eu dei apenas um passo ao seu encontro e depois parei. Havia algo que me dizia para parar, algum tipo de instinto.
"Erick?!" sussurrei, pergunta, inconformismo, não sei. 
Erick deu um meio sorriso torto, muito sexy, e andou em minha direção. Eu recuei.
Aquele não era Erick. Erick não tinha sorrisos provocantes como aquele. Eu me lembrava muito bem do sorriso do meu amigo, era aberto, alegre, quente, fazia com que você quisesse sorrir também, mesmo sem motivos.
E então ele chegou perto o bastante para mim ter certeza de que algo estava errado: no lugar dos lindos olhos azuis de Erick havia um par de olhos vermelhos, maldosos, como puro sangue pulsando fresco. Eram horríveis.
Eu levei a mão na boca, perplexa, e recuei. Nste momento ele abriu a boca para falar:
_Não tenha medo. Eu não...
_Afaste-se dela!!!
Nós dois olhamos para o outro lado da rua. Eu quase não acreditei quando vi quem era: Mark, irmão mas velho de Erick, outro amigo querido. Ele correu a nosso encontro e saltou sobre Erick em uma velocidade sobre humana. Ambos desapareceram no bosque.
Eu acordei.
Eu estava molhada de suor e meu cabelo grudava no meu rosto. Aquela meleca! Mas apesar disso um vento gelado soprava forte pela minha janela aberta.
"Estranho, me lembro de ter fechado a janela ao me deitar" pensei.
Estranho mesmo tinha sido esse sonho, ou melhor, pesadelo. Um pesadelo idiota e mentiroso. Erick, malvado? E Mark de volta à Diablo? Minha mente só havia acertado na briga entre os dois irmãos...
Levantei-me da cama, fechei a janela e voltei a dormir. Ou tentar dormir. Uma grande inquietação se instalou no meu peito e eu não conseguia me livrar disso. Algo grande estava para acontecer. Eu podia sentir.
Quando finalmente consegui adormecer, não tive mais nenhum sonho. Nem bom, nem ruim. 

Nenhum comentário: