It's to Late...


Eu pensava que tudo estaria bem se continuasse a fugir do mundo do jeito que fazia. É fácil ir embora e largar tudo quando "tudo" não significa muito para você. 
Quando fui embora, achei que tudo passaria; naquela época "tudo" era importante para mim. Entre todas as coisas que eu lamentável deixar, você era com certeza a pessoa que mais faria meu coração sangrar de saudade. Por isso te escondi num lugar em que ninguém fosse achar; fundo o bastante para não me incomodar mas superficial o bastante para que meu sentimento não morresse ao longo dos anos.
E o tempo passou, era muito fácil te ignorar no lugar onde eu tinha te posto; eu podia seguir minha vida sem sofrer. Então, de repente, você reaparece. Como uma bóia de ar que eu empurrei para de baixo d'água e agora não suporta mais ficar submersa, apenas veio a tona trazendo consigo todo o amor, todas as lembranças, as piadas, as coincidências e por fim, como não podia ser diferente, a dor.
Isto não é teatral, não está chovendo lá fora como nos filmes de drama. Hoje é dia de festa, mas eu estou com esse nó na garganta que parece que não vai passar. Estamos separados por uns mil quilômetros e eu nem sei se você pensa em mim.
Você pensa em mim? 
Será que você ao menos se lembra de mim?
 De nós?
Ou será que fui apenas eu que guardei nós dois num lugar em que ninguém iria achar?
Tantos anos procurando o amor e ele esteve sempre em mim, guardado, submisso, ignorado. E agora é literalmente tarde de mais ou talvez... não, é tarde.
Tarde de mais para voltar a atrás.

Nenhum comentário: