Velozes e Furiosos 5 - Operação Rio - Filme

Nome Original: Fast Five
Direção: Justin Lin
Gênero: Ação
Duração: 130 min
Classificação:





Sinopse: Desde que Brian (Paul Walker) e Mia (Jordana Brewster) tiraram Dominic (Vin Diesel) da custódia da polícia, eles têm cruzado diversas fronteiras para evitar as autoridades.                                                                                      
Agora, encurralados em um canto do Rio de Janeiro, precisam executar um último serviço para conquistar a liberdade. Conforme montam seu time de corredores, os improváveis aliados sabem que sair limpos significa confrontar o homem de negócios corrupto que os quer mortos.                                                                                              
Mas há mais pessoas no encalço. O agente federal Luke Hobbs (Dwayne Johnson) nunca perde um serviço. Quando é escalado para perseguir Dom e Brian, ele parte com tudo com sua equipe - mas no Brasil descobre que não é tão fácil distinguir os mocinhos dos bandidos. Hobbs vai precisar confiar em seus instintos para pegar sua presa, antes que alguém o faça.  

Antes de começar esta crítica, gostaria de fazer duas ressalvas. A primeira é que, acreditem ou não, eu não vi nenhum filme da franquia Velozes e Furiosos a não ser este, o número 5. Isto pode ser tanto prejudicial a esta avaliação quanto benéfica, pois dai eu não cairei naquele lenga lenga chato de ficar comparando este com os filmes anteriores. A segunda ressalva é que eu não gosto muito de filme de ação, mas eu tentarei ser imparcial neste aspecto.
Velozes e Furiosos 5 possui um atrativo a mais para os brasileiros: a história se passa aqui na nossa terra, mais precisamente na cidade maravilhosa. O que pode ser um tanto arriscado, pois cair na bobagem de estereotipar um país é pedir para ser criticado. E, apesar de ser um filme tão renomado, é claro que eles tiveram seus escorregões. 
Houve vários, mas o mais berrante de todos foi uma sequência em que Brian, Mia e Don estão roubando carros de um trem em movimento e a vegetação é extremamente arenosa, tipo deserto mesmo.

1º - O uso de transporte ferroviário é quase nulo no Brasil;
2º - O clima desértico mostrado no filme seria difícil de se encontrar até no nordeste no país, que dirá no Rio de Janeiro.

 




Estes foram os fatores que fizeram o filme perder uma estrelinha no meu conceito. Estava pensando em tirar mais uma, porém os pontos altos do filme não me permitiram.
Fazendo jus ao título, o filme está mais veloz e mais furioso que nunca. Composto de muita ação, corridas de carros alucinantes e estratégias de gênios, este é um daqueles filme que realmente te prendem.
Uma das minhas cenas favoritas acontecem logo no começo quando Don está sendo resgatado da prisão perpétua e seus amigos dão um jeito de tombar o ônibus onde ele está. Outra cena animal acontece quando Brian e Don jogam o carro onde estão de uma ponte para se salvar da polícia (logo após a cena micada do roubo de carro no 'deserto' brasileiro). Está é uma daquelas cenas que prendemos a respiração e só soltamos quando temos certeza que está tudo bem.
Outro ponto positivo do filme é a complexidade dos personagens. Talvez isso se dê pelo fato de haver mais quatro filmes antes desse, mas os personagem transmitem algo muito real a quem está assistindo.
Um bom exemplo disso é Don (Vin Diesel). Ele é irmão, cunhado e as vezes parece o pai de todos. É um dos mais durões, que enfrenta as piores brigas e rixas do filme, mas também é aquele sensível que presa pelos amigos e pela família. Esta complexidade faz um longa realmente valer o ingresso.
Termino esta critica por aqui, frisando que vale a pena ver o filme apesar das mancadas dele com Brasil (vá preparado para se sentir lesado pelos estrangeiros). Deixo aqui 4 estrelas (ótimo) o que é muito bom mesmo. Sou exigente chata
Ah, uma dica: Não saia da sala de cinema durante os créditos, pois depois de uma parte deles ainda há uma pequena cena, coisa de 2 minutos, com uma revelação digamos bombástica  importante que deixa bem claro que sim, haverá uma continuação. Melhor para os fãs.

Nenhum comentário: